Especial “POR ONDE ANDA?” Capítulo #03: Relespública

Curitiba, 1989: em qual outra capital do país poderia ter surgido um trio Mod que era a própria encarnação das ondas britânicas de 65?

O Relespública, que se juntou porque partilhava a influência suprema de The Who e Kinks, vem, desde a data, mantendo aceso um rock’n’roll calcado na identidade visual, no formato clássico (baixo, guitarra e bateria), dançante e com um quê de power pop antigo.

O antigo, aliás, sempre construiu essa identidade visual. Os integrantes tocavam e se vestiam “a carater”: terninhos, calças retrô, bottons (de preferência os com logo do The Who) e instrumentos mais vintage. A Reles teve idas e vindas de outros integrantes como tecladistas e mais vocais, mas se firmou mesmo com Fabio Elias, Emanuel Moon e Ricardo Bastos.

A banda já foi contratada até pela gravadora Universal (que rendeu o terceiro disco da carreira) e mostrou que talvez existisse espaço para uma música alternativa bem segmentada dentro de uma grande companhia. Lançou outros 4 discos de estúdio e teve 2 ao vivos, incluindo um MTV Apresenta.

O Relespública sempre levou muitos a seus shows, verdadeiros inferninhos borbulhando de mods e simpatizantes nos clubes alternativos. As apresentações eram divertidas, altas, com melodia tão redonda que tudo que bastava ao público era se jogar e dançar o show inteiro. Daquelas explosões jovens que devem ser presenciadas uma vez na vida.

E não foi só na cidade natal ou no fervo da onda Mod em São Paulo que o Relespública se mostrou um grande nome do rock independente. Eles viajaram em turnês por todo o país e tocaram em importantes palcos de festivais. Ganharam fãs e admiradores por onde passaram, disseminando cópias de seus discos e camisetas memoráveis.

Nunca houve um fim para a banda. Após o último lançamento, Efeito Moral (2008), aquele famoso “tempo” foi necessário e cada um foi descobrir outra coisa, após tocarem Rock por 20 anos. O vocalista e guitarrista Fabio Elias inclusive descobriu uma veia sertaneja que o fez compor um primeiro álbum em 2010, Me Dê um Pedaço Teu, e depois um ao vivo, em 2011, que leva apenas seu nome.

A pausa serviu para Ricardo Bastos e Moon montarem uma outra banda também, o Splippleman, um quarteto de pop rock delicioso e atual, que lançou há pouco seu primeiro EP com 5 músicas e tem clipe classe A para a faixa “Me Myself“.

“Ter banda de rock no Brasil é padecer no paraíso”, diz Fabio Elias, “e as férias da banda fez bem a todos” são a resguarda do vocalista. Tanto é que a Reles voltou com um DVD inédito (Antes do Fim do Mundo) em 2012,  fazendo shows de divulgação esgotados.

Essa história toda da Reles rende uma verdadeira epopeia da música alternativa no Brasil e isso sempre foi possível porque os seguidores da banda nunca os deixaram. “Os fãs sempre nos receberam calorosamente e sentimos que o Rock e nossa cidade precisam muito da Relespública”, conta Fabio, que voltou com a banda antes da profecia  de 2012 se concretizar.

Be first to comment