Felipe Cordeiro integra terceira edição do Terruá Pará: “Sempre tem gente nova aparecendo no Pará”

Nos dias 13 e 14 de novembro São Paulo recebe a terceira edição do Terruá Pará, no Teatro do Shopping Eldorado. Homenageando o maestro Waldemar Henrique da Costa Pereira, o Terruá reunirá diferentes gerações da música paraense.

Com mais de duas horas de duração, o espetáculo terá artistas consagrados como Nazaré Pereira, Salomão Habib, Mestre Damasceno, Adamor do Bandolim, Pim, Manoel Cordeiro, Adelbert Carneiro, Arraial do Pavulagem, Toninho Nascimento, Toni Soares, Rafael Lima e Marco André, se apresentando ao lado de novos nomes do Pará representados por Arthur Espíndola, Luê Soares, Sammliz, Marcel Barretto, Jaloo, Nanna Reis, Strobo, Zebrabeat, Camila Honda, Natália Matos, Banda ARK, Gang do Eletro, Juca Culatra, João Lemos (Molho Negro) e Felipe Cordeiro.

Como banda da noite, um supergrupo formado por Luiz Pardal, Jade Guilhon, Príamo Brandão, Pio Lobato, Davi Amorim, Edvaldo Cavalcante, Dan Bordallo, a percussão do Manari e a Orquestra de Violoncelistas da Amazônia.

Felipe Cordeiro será uma das estrelas da noite e conta um pouco sobre esse encontro de gerações promovido pelo Terruá Pará.

Urbanaque – Qual a importância de um evento como o Terruá Pará?

Felipe Cordeiro – O TERRUÁ faz um recorte significativo da produção paraense, abrangendo a diversidade, com um pé na tradição e outra na modernidade.

Você pode adiantar como será o show?
O show tem mais de duas horas de duração e envolve muitos artistas, muitos encontros e trocas, algumas delas inusitadas, como a do DJ Jaloo e do contrabaixista Adelbert Carneiro, junto da orquestra de violoncellos da Amazônia. Minha participação será com 3 músicas, tocarei duas músicas do meu mais recente disco, uma delas já é “Ela É Tarja Preta” (parceria com Arnaldo Antunes / Manoel Cordeiro / Betão / Luê). O show também faz uma homenagem ao maestro Waldemar Henrique.

Fale um pouco sobre o maestro Waldemar Henrique da Costa Pereira, grande homenageado dessa edição. O que ele representa pra você e para a cultura paraense?
Waldemar é o maior nome da música na Amazônia. Sua obra é vasta e flerta com o popular, na verdade fica no limiar entre o erudito e popular. Suas canções ajudaram a formar, de forma definitiva, as referências musicais no Pará.

Vai tocar mais coisas novas na apresentação?
Vou tocar duas músicas do disco novo. Além de “Ela é Tarja Preta”, tocarei também “Problema Seu”, música que abre o Se Apaixone pela Loucura do Seu Amor.

Dos artistas novos do Pará, quem você destaca?
Entre tantos nomes que você pode ver no Terruá eu cito o Jaloo, as cantoras Camila Honda, Natália Matos e Nana Reis. As bandas Molho Negro, Zebra Beat e Strobo. Ainda tem o Enquadro. Sempre tem gente nova aparecendo no Pará.

SERVIÇO
Terruá Pará 2013 – edição São Paulo
13 e 14 de novembro
Teatro do Shopping Eldorado
Endereço: Avenida Rebouças, 3.970 – 3º Piso
Horário: 21h
Preços: R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia entrada)
Vendas: www.ingresso.com.br
Censura: livre
Mais informações: www.terruapara.com.br

[FOTO Camila Lima/ Divulgação]

 

Be first to comment