O pop rock funk crocante dos argentinos do Bandalos Chinos

Não me lembro bem quando foi que topei com o Bandalos Chinos, acredito que foi pesquisando bandas que cantam em espanhol para o “Ay, Que Rock!”. O grupo oriundo da cidade de Beccar (Argentina) está na ativa desde 2009, já tem dois EPs lançados, “Nunca Estuve Acá” e “En El Aire”, e dois álbuns completos, “Bandalos Chinos” e o recém-lançado “Bach”.

Desafio o leitor a apertar o play em “Vámonos de Viaje”, música que abre o disco “Bach”, e não ser fisgado pela voz suave e afinadíssima de Goyo Degano (voz e teclados), enquanto é acompanhado pelo suíngue do pop/funk orquestrado por Tomas Verduga (guitarra), Nícolas “El Lobo” Rodriguez (baixo), Matias Verduga (bateria) e Salvador Colombo (sintetizadores).

É interessante acompanhar a evolução e as influências musicais do grupo. Em seu disco homônimo de estreia de 2012, os Bandalos ainda apostavam no pop rock padrão, cru, mas com influências de Charly Garcia, “El Flaco” Spinetta e Gustavo Cerati se mostrando presente em suas melodias e letras.  “Rayo de Luz”, última faixa do disco, poderia facilmente ser uma faixa extra de “Bocanada”, do Cerati.

Foi a partir do EP “Nunca Estuve Acá“, de 2012,  que o grupo começa a deixar os sintetizadores mais presentes, o som mais redondo e começar a enveredar para o funk e pop. Eles também deixam claro que as influências não são apenas bandas argentinas. Impossível não perceber uma sonoridade dos franceses do Phoenix em “Nunca Estuve Acá”,  “Correr”, “Rana Fénix” e “Chino Town I”.

Uma vez encontrado o caminho dançante, o grupo lança seu segundo EP, “El Aire“, em 2016. Aqui o grupo começa a apostar nas guitarras mais suingadas, nas influências do funk. “Isla” vira hit, ganha versões remixadas, faz os clubes esgotarem ingressos ao anunciarem a banda e rende um convite para o grupo tocar na edição 2017 do Lollapalooza Argentina.

Eis que o grupo cruza o caminho de Adán Jodowsky, que convida o grupo a passar uma temporada em seu estúdio Sonic Ranch, no deserto texano, para produzir e gravar um dos melhores discos do pop/rock argentino de 2018, “Bach” (acrônimo derivado do nome do grupo). “Vámonos de Viaje”, música que abre o disco, é dançante, envolvente e crocante (ou melhor, crujiente) com Goyo abusando dos falsetes e Tomas Verduga encarnando o Nile Rogers na guitarra.

Outro ingrediente extra que faz de “Bach” um disco pop rock funk perfeito é a presença de Andy Roman marcando presença com seu saxofone de forma brilhante em “Súper V”, “Hermanos”, “Tema de Susana”,  “Lento” e na maravilhosamente dançante “Tú Órbita”.

O Bandalos Chinos com certeza é uma das surpresas mais agradáveis da cena musical argentina e deve ser presença obrigatória nos line ups dos festivais latino americanos de 2019.

Co-fundador e editor do Urbanaque.com.br e Birrinhas.com

3 Comments

  • […] e descobrir novas bandas latinas.  Foi assim que descobri os argentinos do Bandalos Chinos ( já discografado aqui no Urbanaque) e os também argentinos do Usted Señalemelo (que passou pelo Brasil em 2018 no festival Coquetel […]

    • Reply March 14, 2019

      Fábio

      Tivemos o prazer de ver os Bandalos Chinos ano passado, em Quilmes.
      De viagem para Buenos Aires, busquei, como faço de costume quando viajo, shows no lugar e arredores.
      Topei com esse. Vi no YouTube, achei bem legal e, já lá em Buenos Aires, dois brasileiros tomam o trem rumo a Quilmes. De turistas, acho que só nós.
      O Club Tucumán, local da apresentação, é um típico clube de cidade pequena, tipo um “grêmio”.
      O lugar do show pequeno e mais propício a bandas de “cover”.
      Mas que maravilha quando entram Goyo e banda! “Vámonos de Viaje” logo de cara.
      O público presente, se não lotava o pequeno espaço, acompanhava a banda com empolgação contagiante!
      Viramos fãs!
      Tentei, do meu modesto jeito, fazer com que viessem pra cá: mandei e-mails pra Audio, pro Cine Joia, pra organização do Lollapalooza, pra vários Sesc.. Mas nada!
      Será que você conhece gente que possa trazê-los??
      O Brasil, então, ouvirá música boa, de banda séria, já madura, coisa que falta aqui em terras tupiniquins…

      • Reply March 15, 2019

        cirilodias

        Que maravilhoso isso, Fábio! E que baita sorte ver o Bach ao vivo. Eles são foda demais. Olha, talvez o pessoal do Coquetel Molotov ou do Mucho consigam trazer. Mas pode deixar que eu to junto com você neste lobby.

Leave a Reply