Faltam nove dias para a 15ª Festival Porão do Rock, em Brasília (DF). Serão dois dias, três palcos e 38 shows.  Entre eles, selecionamos alguns nomes que prometem bons momentos no festival: Alf, Banda de La Muerte, Test, Sexy Fi e Galinha Preta. Saiba mais sobre eles abaixo.

 

ALF – Brasília (DF)

O Alf vai jogar em casa: é diretor artístico e um dos fundadores do Porão do Rock, além de já ter passado pelo palco do festival com duas de suas bandas, o Rumbora e o Supergalo. Este ano, ele traz o seu primeiro trabalho solo, em vias de ser lançado. Duas músicas já estão rodando pela internet: “Pra onda boa me levar” e “O Sol Saiu”, ambas com inegável influência queensofthestoneageiânica.

 

Banda de La Muerte – Buenos Aires (ARG)

Sludge é a palavra em inglês para lodo, e por isso mesmo batiza uma das subdivisões mais sujas e pesadas do metal. O representante sludge metal do Porão é a Banda de La Muerte, praticamente um Corrosion of Conformity com acentuado sotaque argentino.

 

Test – São Paulo (SP)

Insatisfeitos com a programação da Virada Cultural de São Paulo de uns anos atrás, o Test não se fez de rogado: botou o equipamento nas costas, achou um lugar onde pudesse ligá-los na eletricidade (uma generosa pet shop) e tocou ali mesmo, na rua. No Porão eles já vão encontrar um palco prontinho pra eles, e um lugar privilegiado no lineup: logo antes do Soulfly. Tem tudo pra ser uma grande celebração de metal caótico.

 

Sexy Fi – Brasília (DF)

Todo mundo tem falado no Sexy Fi ultimamente: que é o antigo Nancy, que foi citado em veículos de música do exterior, que financiou o clipe pelo Catarse, que teve o disco produzido pelo John McEntire (ex-Tortoise). Realmente, é um bom caminho trilhado por uma banda independente. Mas o que importa mesmo é a música, que é ótima, como prova essa levada calminha de “Looking Asa Sul, Feeling Asa Norte”, que vai crescendo sem que você se dê conta até terminar numa fina microfonia. Promessa de um grande show.

 

Galinha Preta – Brasília (DF)

Galinha Preta é o tipo de banda cuja discografia, na íntegra, se escuta em 40 minutos. Nenhuma música ultrapassa os três minutos, respeitando a legítima tradição hardcore. Se não prestar atenção, o ouvinte é capaz de perder algum detalhe narrativo de canções como “Devo e Não Nego”, “Pára de Rir de Mim!”, “Tem Gente pra Tudo” ou a já clássica “O Padre Baloeiro”.

 

Mais Porão

Atrações de peso como Lobão, Fê Lemos (Capital Inicial), e Jimmy (Matanza), falaram sobre os preparativos e a expectativa pelo show em entrevistas  que podem ser ouvidas no Soundcloud do festival.

https://soundcloud.com/porao-do-rock

Programação na íntegra e mais informações: www.poraodorock.com.br

 

[TEXTO: Janaína Azevedo Lopes FOTOS: Divulgação] Tags:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *