“¡Vamos a bailar, chicos!”, una lista repleta de nuevas bandas argentinas y su sonidos para bailar a lo bajar de las horas

Há algum tempo tenho dedicado boa parte das minhas horas apenas para pesquisar e descobrir novas bandas latinas.  Foi assim que descobri os argentinos do Bandalos Chinos ( já discografado aqui no Urbanaque) e os também argentinos do Usted Señalemelo (que passou pelo Brasil em 2018 no festival Coquetel Molotov, em Recife, e na casa de shows Breve, em São Paulo,  e eu simplesmente não prestei atenção).

Também foi assim, seguindo estas bandas no Instagram que tomei conhecimento do sensacional festival de verão Buena Vibra, já na sua terceira edição sold out, e que reúne o que há de mais legal na cena pop e rock latina.

Mas para tentar sanar um pouco desta grave falha, e refrescar o repertório, selecionei 23 sons dançantes de novas bandas. Están todos reunidas en esta lista de reproducción repleta de bandas latinas y su sonidos para bailar hasta lo bajar de las horas. Pero tiene una descripción de cada una abajo. ¡Dale!

1915

Com dois pés bem fincados no pop rock, o grupo argentino residente na grande Buenos Aires, lançou o excelente Bandera. Destaque para a música “El Inimigo”. Existe um quê de Spinetta no som, na fase em que El Flaco estava sob a alcunha de Jade, mas o grupo tinindo de novo começou a elaborar seu som ouvindo bandas novas argentinas como Huevo e Bandalos Chinos. Ah, estão escalados para a edição 2019 do Lollapalooza Argentina.

Bandalos Chinos

Formada em 2009 na cidade Beccar, Argentina, o Bandalos Chinos é uma daquelas bandas que conseguem misturar com maestria rock, pop e funk, com direito a saxofones pontuais nas músicas, sintetizadores e indie rock. O recém-lançado Bach vai grudar no seu ouvido, com a mais absoluta certeza.

El Zar

Também de Buenos Aires temos o duo El Zar. Sua formação original é  Facundo Castaño Montoya e Pablo Giménez , que somam suas vozes, guitarras e programações para criar canções inspiaradas em Gustavo Cerati, Charly García e Radiohea. Quando sobem em palcos de festivais (o grupo já tocou na edição 2018 do Lollapalooza Argentina), escalam Lara Pedrosa (baixo), Nícolas Barromeo (teclados) e Matia Verduga (bateria.

Usted Señalemelo

De Mendoza, Argentina, vem outra excelente banda, que de tão boa, conseguiu puxar para si a recorrente alcunha de “salvação do rock”. Juan Saleg (voz e sintetizador), Lucca Beregui Petrich (bateria e programações) e Gabi Orozco (guitarra e piano elétrico) conseguem fazer um indie rock redondo, gostoso, poderoso e dançante. Tem uma entrevista bem boa com eles lá no Scream Yell.

Valdes

Formada em 2015 em Cordoba, Argentina, o duo Valdes é formado pelos irmãos Edu e Pancho Valdés. Quem ouve o pop eletrônico da dupla, até consegue identificar influências de Neon Indian, mas o grupo também é influenciado por Luis Miguel, Charly García e Spinetta. Mas de acordo com os irmãos Valdés, eles definem o som da banda como retro-futurista-bailante-eletrônico-pop.

Barco

Fundada em Buenos Aires em 2011, a banda Barco traz o sangue azul do rock argentino. Os irmãos Alejandro Alvarez (vocal e guitarra) e Franciso Alvarez (bateria) são filhos de Jorge Alvarez, baterista da legendária banda Suéter. Ao lado de Ramiro Cremona (sintetizadores), o grupo faz uma mistura de pop, indie e rock, e é mais uma das boas surpresas da nova cena argentina.

De La Rivera

Pop bem feito, moderno, com guitarras e vocais que às vezes lembram llya Kuryaki and the Valderramas, batidas que parecem ter sido tiradas de algum disco do Daft Punk e um pouco de New Order. Formado por Gastón de la River e seus primos Lucas e Tomás de la Rivera, o De La Rivera é pop sofisticado, grudento e capaz de fazer até o mais travado ser humano sair dançando.

Gativideo

Separe seu Campari com laranja, um roupão com estampa de onça e dê play no som do Gativideo. O grupo argentino Gativideo parece ter saído de algum VHS com os melhores filmes da Sessão da Tarde. É pop escrachado, sem amarras e com videoclipes que esbanjam da estética vaporwave.

Guli

A cena pop argentina não pára de produzir boas surpresas, e uma delas é o GULI. O projeto solo de Agustín Bucich, ex-integrante do Levare, é o exemplo de como se fazer um disco atual de Yatch Rock. Seu mais recente disco, Yate, conta com participação de nomes da nova geração do pop e rock argentino, como Juan Ingaramo, Goyo Degano e Marina Pien.

Bröder

O Bröder é o nome do projeto solo audivisual do Alejandro Saporiti, figura conhecida no cenário argentino pela sua passagem como guitarrista do Nidos e participado das bandas LOUTA e Ignacio del Pórtico. Um disco que mistura bem indie pop com batidas eletrônicas e influências de Friendly Fires, Virus e Jungle.

Pyura

Você provavelmente já deve ter lido o nome do trio argentino em algum lugar ou música. Caminhando entre a eletrônica e o indie, o Pyura fez remixes para artistas como Bandalos Chinos, El Zar e Marilina Bertoldi. Seus poucos EPs autorais são calcados na house music e são figuras presentes nos principais festivais latinos.

Peces Raros

Diretamente de La Plata vem o quarteto Pesces Raros. Os amigos Marco, Lucio, Gabi e Benja se conheceram quando cursavam Belas Artes na Universidade de La Plata e são influenciados por Radiohead, The Beatles, Bob Dylan, Red Hot Chili Peppers e, claro, Luis Alberto Spinetta, tanto que chamaram a atenção da cena local com uma cover de “Ana No Duerme”, do Almendra, uma das bandas de El Flaco.

Los Reyes del Falsete

O trio de Adrogué (cidade da província de Buenos Aires) formado por Nica Rex, Tifa Rex e Munchy é a prova de que uma banda pode estar constante evolução, incorporando todo o tipo de estilo em sua sonoridade. Com mais de 10 anos de carreira, o grupo já lançou discos calcados nas guitarras cruas do indie rock tradicional e outros com grande influência de pop rock. Agora, o recém lançado disco “Guacalart”, flerta de forma interessante com sintetizadores e elementos eletrônicos.

Telescopios

Formada por Bernardo Ferrón, Nicolás Moroni, Rodrigo Molina e Cucho Ortiz, o grupo cordobes faz um indie pop que mistura guitarras elétricas, sintetizadores e programações eletrônicas. As influências vão desde Gustavo Cerati, Charly García e Luis Alberto Spinetta até Radiohead e Tame Impala.

Hipnotica

Córdoba com certeza é a cidade que mais tem revelado excelentes artistas argentinos. De lá vem o duo formado por Nahuel Barbero e Hernán Ortiz, que transitam muito no indie folk, mas também conseguem fazer excelentes canções levementes dançantes como “Fluir”, presente em Clásico, último álbum da banda.

Indios

De Rosario, província de Santa Fé, vem o sexteto formado por Joaquin Vitola (voz), Nicolas de Sanctis (guitarra), Patricio Sanchez Almeyra (guitarra), Guillermo Montironi (baixo), Agustin Majdalani (sintetizador) e Federico Pellegrini (bateria), todos fanáticos por rock britânico, brit pop, Soda Stéreo e Babasónicos.

 

 

Co-fundador e editor do Urbanaque.com.br e Birrinhas.com

1 Comment

Leave a Reply