Young Hines explica como uma demo mudou sua carreira

Young Hines pode atribuir à sorte o novo rumo dado a sua carreira em 2012. Através de um CD demo, tocado por amigos pintores de ocasião, o músico acabou conhecendo Brendan Benson e se tornou o primeiro artista lançado pelo selo do parceiro de Jack White no The Raconteurs, o Readymade Records.

E dessa demo nasceu Gime Me My Change, disco de estreia de Young Hines produzido por Brendan Benson, que ainda levou o músico natural da Georgia para sua turnê pelos EUA e Europa. “Dá um pouco de nervosismo. Mas estou muito feliz por ter algo muito divertido pela frente”, contou Hines, que não esconde a alegria de ser o primeiro artista da Readymade Records. “Se eu me sentisse ainda melhor seriam três de mim!”

Leia abaixo o bate-papo que tivemos com Young Hines:

Urbanaque – Como você conheceu o Brendan Benson?
Young Hines – Amigos meus de uma banda chamada The Grayces fazem bicos pintando casas em Nashville. Um dia eles pintaram a casa do Brendan Benson. Enquanto trabalhavam lá, eles decidiram ouvir uma de minhas demos. Brendan ouviu a música e perguntou se ele poderia ficar com o CD. Quando me dei conta, tinha recebido um email do Brendan contendo uma versão de uma canção que eu escrevi, chamada “Only In A Dream”. Em seguida eu viajei para Nashville para conhecê-lo formalmente e acabamos escrevendo uma música naquele dia.

Como foi trabalhar em estúdio com o Brendan Benson?
Foram dez dias de gravações ininterruptas. Brendan tem uma ética de trabalho e é incansável. Isso realmente é muito contagiante. Não poderia imaginar um produtor melhor.

Você possui diversas canções no YouTube há algum tempo. Porque resolveu lançar seu primeiro disco só agora?
Não estava com pressa e ainda não estou. Arrisco dizer que é o método da tartaruga, mas é saudável pra mim. O foco sempre tem que ser as músicas e não a data em que serão lançadas. E é muito bom saber que, quando chegou o dia, eu conheci Brendan. Eu tinha um pouco mais do que uma porção de músicas. Quando você não está com pressa, você pode lutar por mais qualidade do que quantidade.

Fale um pouco do processo de composição e gravação de Give Me My Change.
Alguma coisa poderia me distrair, então eu simplesmente me senti inclinado a compor. Isso continuou acontecendo até que eu me vi com 16 faixas gravadas em um gravador de fita e cabos correndo por toda minha casa, fazendo demos sem parar. Foram essas demos que Brendan Benson ouviu inicialmente. Pegamos algumas dessas canções, assim como algumas novas e entramos no Welcome To 1979 Studios [estúdio especializado em gravações retrô, onde Brendan Benson gravou alguns de seus discos], em Nashville. Gravamos todo o disco em dez dias.

Muitas pessoas comparam sua voz com a de Elliott Smith. Isso te incomoda?
Não me incomodo. Não acho que canto como ele, mas uso algumas das mesmas técnicas de gravação para vocais, como vocal dobrado e harmonias. Os Beatles faziam esse tipo de coisa também. Sei que ele [Elliott Smith] era um grande fã de Beatles.

Gostava do trabalho dele?
Na minha opinião ele fez alguns ótimos discos. Fico torcendo para que pelo menos um desses “roqueiros que morreram muito jovens” fosse encontrado escondido com toneladas de novas músicas e falsificado sua morte. Seria legal se isso acontecesse com ele.

[TEXTO Bruno Dias FOTOS Divulgação/ Andrew Higley]

Be first to comment